segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Or... maybe not



Me sinto muito bem tendo o controle sobre mim mesma. Mas confesso que é extremamente difícil crescer. Sou adulta. Isso me dá medo. Hoje eu posso chegar tarde, posso dormir fora, posso comprar bebidas, posso entrar em qualquer boteco. Porém também preciso assumir os meus atos. Não é tão fácil fugir deles como há dez anos. Talvez seja por isso que eu me desespere tanto às vezes. O medo.
Eu sinto medo. Por trás da minha capa de adamantium, existe alguém verdadeiramente frágil. No fundo eu ainda não cresci. Posso estar madura, posso ser diferente de seis meses atrás, na verdade de ontem pra cá mudei bastante! Sou um tornado, mudando de direção, indo para onde o vento sopra, me perdendo, onde deveria estar me encontrando, ou talvez já tenha me encontrado. Sou cética. Sou insaciável. Nunca está bom, nunca sou boa o suficiente.
Minha alma é formada por dúvidas, incertezas, mas sempre existe o “talvez”, “ou talvez”, meu irmão disse que ainda não nascemos, que na verdade “só se nasce aos 40”, ainda tenho 16 anos para aprender o suficiente para usar em minha vida, e durante essa “sub-vida” cheia de “poréns” e “por ques” e “talvez” eu me torno apenas uma interrogação fragilizada. Me deixo fundir com minhas palavras vagas e discursos eloqüentes.
Não... minha história não acabou, nem começou, ela está no meio, no meio de tudo. Eu não gostaria de reescrever meu passado, mas estou reescrevendo o meio, por que o final se escreverá sozinho e dessa vez espero não terminar com uma interrogação. Quero poder dizer que fui feliz, que sobrevivi a mim mesma... ou talvez...não... talvez não seja nada disso, talvez isso tudo seja um conto de fadas idealizado por uma romântica. E se você bem sabe, toda vez que tentamos prever o futuro ele muda e desse vez... Talvez eu não queira conhecê-lo... não dessa vez!

3 comentários:

  1. O novo realmente nos dá medo :\ assusta. Sabe, as vezes eu queria voltar a ter sete anos, as preocupações eram menores, tudo parecia mais simples

    (L) eu te amo, e eu sempre vou estar aqui pro que precisares . porque a gente ainda vai ter muitas conversas e discursos eloquentes. e gente entra em todas juntas, seja pra rir, chorar , beber, se oferecer colo quando uma precisar da outra , e amar, amar muito , de forma ousada , porque como diz a Nique '' amar é bombom de chocolate'' e é o que se leva de verdade das coisas que vivemos. Eu amo te ler , e amo te ter na minha vida , já te disse isso hoje?

    ResponderExcluir
  2. Como diria Moska, somos um móbile solto no furacão! =*

    ResponderExcluir
  3. Olha o Nhonhoquinho *-* LHIENDOS (L)

    ResponderExcluir